Antes de você começar a ler, saiba que: além de encontrar algo que possa te ajudar, também, encontrará algo que possa ser um pouco “duro” para você. 

Apenas um artigo sincero, de um professor de inglês, sobre: Como não aprender inglês.  

Vamos lá… 

Você realmente sabe a importância de aprender inglês ou outros idiomas hoje em dia? 

Sabe mesmo? 

Enfim. Muitas pessoas, muitas mesmo, já tentaram aprender inglês de inúmeras formas. 

Sendo: através de cursos de inglês, livros, métodos ou até mesmo professores particulares de inglês. 

Porém, para algumas pessoas, o entendimento básico do idioma ou até mesmo a fluência, são duas coisas que podem estar muito longe de suas realidades. 

Até porque, elas são bombardeadas diariamente com métodos “super inovadores” e promessas de como “Ser fluente em inglês em 3 meses.”  

Ou, um dos meus favoritos: “Aprenda inglês dormindo.” 

Da hora. 

Claro, nem preciso dizer que todas essas pessoas, inclusive você, provavelmente já passaram por isso. 

E, no final das contas…nada funcionou. 

Portanto, hoje tentarei te dar algumas dicas de como não aprender Inglês.

Ou seja, tentar te mostrar, a partir de ‘erros’ básicos, ‘achismos’ e entre outras coisas que podem estar te prejudicando durante seu aprendizado do inglês. 

Claro, não existe receita exata para aprender inglês. 

Entretanto, existem algumas coisas que funcionam, e outras que não.

Então, irei listar as tais coisas que provavelmente te desanimam no processo e que, na minha opinião, são exemplos perfeitos de Como não aprender inglês!

Vamos lá! 

Como não aprender Inglês

Primeira coisa que vejo por aí…

“Inglês de segunda e quarta” 

O “inglês de segunda e quarta” é uma expressão que eu uso para falar daqueles alunos que só estudam nos dias da aula de inglês. 

Enfim. Um dos maiores erros que você pode cometer ao estudar inglês. 

Aliás, qualquer outro idioma! 

Até porque, se você realmente quer aprender uma nova língua, primeiramente, você precisa trazê-la para a sua rotina! 

Simples assim. 

Até rima! 

Ou seja, tentando criar um espaço de imersão, aprendizado e prática para que você possa realmente usar o inglês em um contexto real. 

Portanto, não dispense nenhuma oportunidade de contato com o inglês. 

Pois ao ser o aluno de “segunda e quarta”, você provavelmente não irá muito longe.  

Desculpe a sinceridade. Mas é apenas a primeira forma de como não aprender inglês! 

Questionar o idioma

Se tem algo que sempre vejo por aí, é um monte de gente mais preocupada em questionar o idioma, do que aprender-lo. 

Que coisa, não é? 

Pode não parecer, mas é muito mais comum do que você acredita.

Inclusive, você deve estar fazendo isso também…

Voltando…

Sim! Eu sei que você quer saber os porquês das coisas serem como são. 

Não está errado. 

No entanto, quando se trata de um idioma, você deve aceitar que, a gramática, a estrutura e como o idioma é usado e falado no dia a dia simplesmente são assim.

Pronto. 

Inclusive, eu já perdi horas de aulas por conta de alunos que não queriam aceitar que tal estrutura era o que tinha de ser. 

Segundo eles: “Não fazia sentido comparando com o português.” 

Claro que não iria fazer mesmo. 

Estamos estudando um outro idioma. 

Inclusive, perder tempo questionando coisas no inglês que você “não concorda” não irá mudar nada! 

Relaxa! 

Ficar preocupado(a) em traduzir

Pois é! Esse é uma das coisas que mais pode te atrapalhar ao estudar inglês. 

Até porque, são dois idiomas diferentes, com contextos culturais diferentes e de origens diferentes. 

Isso também faz parte da questão ficar questionando o inglês. 

Portanto, se você quer aprender inglês de verdade, preocupe-se apenas em fazer além do básico!

Além do mais, isso prejudica o seu listening.

Logo, se você já tem dificuldade em entender nativos da língua inglesa, sugiro que leia um outro artigo nosso sobre Como melhorar o listening.

Não focar na pronúncia desde o começo

Não focar na pronúncia em inglês desde o começo só irá te atrapalhar lá na frente.

Vai por mim…

Portanto, se você deseja ter uma boa pronúncia em inglês e ser entendido enquanto fala; estude a pronúncia do idioma desde o primeiro dia!

Até porque, como eu disse: irá te poupar muito tempo lá na frente! 

E caso você não seja mais um iniciante no inglês, relaxa. Nem tudo está perdido. 

Pois eu tenho um guia sobre Como melhorar a pronúncia em inglês.

Garanto que esse artigo ainda vai te salvar um bom tempo!

Não focar nas 4 habilidades

Assim como a pronúncia em inglês (speaking), todas as outras habilidades devem ser devidamente praticadas e lapidadas.

Ou seja: Desde o início, ao começar a estudar inglês, você deve dedicar seu tempo à prática dos: Listening, Writing, Speaking e Reading.

Sempre as 4 habilidades em conjunto! 

Sendo assim, não tendo uma habilidade que ofusque a outra. 

Inclusive, todas as minhas aulas particulares de inglês são dessa forma!

Não ter os recursos certos por perto

Eu sempre bato na mesma tecla: ‘Para aprender ou melhorar o inglês, é mais do que importante ter os melhores recursos por perto’.

O que são os “recursos certos’? 

O recursos certos são: Livros, dicionários, blogs, Ted talks, podcasts em inglês e tudo o que possa ter a ver com você e seus objetivos no idioma.

Ou seja: 

Se você é uma chef de cozinha, médica etc. tente ao máximo consumir conteúdos em inglês relacionados à sua área. 

Inclusive, essa é uma ótima forma de aumentar o vocabulário em inglês.

Portanto, não perca tempo com apenas uma ou duas fontes de conhecimento; e sim, juntando todos os recursos possíveis para que você possa finalmente aprender inglês

Logo, pensando nisso: também escrevi um artigo sobre 8 sites e apps que irão deixar o seu inglês nos trinks

Não esqueça de ler também!

Ser muito ansioso(a)

E, para ser sincero com você: Não espere aprender inglês em um mês ou dois. 

Claro, não estou dizendo que é impossível. 

No entanto, acredito que depende muito do objetivo do aluno; 

Seja: escrever em inglês, entender ou apenas passar naqueles testes ‘padronizados’ e tudo mais. 

Então, acalme-se. 

Faça o básico que deve ser feito (o arroz e feijão) e verá que é sim possível aprender inglês sozinho!

Culpar alguém

A maioria das pessoas que estudam inglês (pelo o que já vi), não praticam o idioma durante a semana.

Ora ora.

No geral, as pessoas fogem daquilo que parece ser desafiador, força elas usarem o que foi ensinado e, consequentemente, melhorar suas habilidades. 

Já vi muitas pessoas também, colocando culpa em professores de inglês, escolas de idiomas e em qualquer outra coisa. 

E, segundo a própria pessoa: “por não ter aprendido nada”. 

Sendo que, essas mesma pessoas não cumpriam com o básico, que no caso, seria no MÍNIMO, fazer a “lição de casa” ou pelo menos, comparecer às aulas nos horários certos.

Você acredita que esses são os maiores problemas que tenho com alunos? 

Quando será que os alunos de inglês irão entender que não é apenas o professor(a) que irá ajudá-lo a falar inglês

Pois é. 

Infelizmente, essa cultura de jogar a responsabilidade em terceiros ao invés de admitir que não ter feito que teria de ser feito, não é exclusivo do inglês.

Triste.

Portanto, tenha em mente que: Além do esforço que seu professor de inglês terá de fazer para que a aula seja produtiva, divertida e focada em suas necessidades; saiba que tal parcela de esforço também é sua!

Ora ora. 

Entretanto, eu sempre me vejo tentando explicar o óbvio e ajudar as pessoas terem o bom-senso.

Que no no caso, muitas não têm. 

Claro, há professores e professores. Escolas e escolas.

Porém, isso é assunto para outro dia.

“Minha dificuldade é…”

Pois bem, algo que eu e muitos outros professores de inglês escutamos por aí! 

“Minha dificuldade é…. falar.” 

Claro, aprender uma nova língua não é a coisa mais fácil do mundo. 

Eu sei. 

No entanto, diante da experiência que adquiri durante alguns anos; percebo que, a partir das pessoas que já dei aula, essa “dificuldade” é decorrente da falta de prática e compromisso.

Calma. Não estou generalizando. Apenas contando o que aconteceu e acontece comigo. 

Enfim. Recebo e recebi muitos alunos assim. 

Embora criando um ambiente amigável e propício para a conversação em inglês, todo mundo corre. 

Mesmo eu guiando, explicando, respeitando todo o tempo do mundo do aluno e adicionando vocabulário em inglês aos poucos, todo mundo continua correndo da conversação em inglês.

Por quê? 

Não foi para isso que fui chamado?

Ou quando o aluno diz que tem dificuldade em entender (listening) e, mesmo eu enviando vídeos curtos com transcrição que levei horas e horas para encontrar — o aluno simplesmente decide não fazer!

Simples assim.

E quando “faz”, faz 5 minutos antes da aula. 

Pior mesmo é quando o aluno põe na cabeça que quer fazer a lição de casa durante a aula.

Complicado…

Só para ressaltar: Eu geralmente dou uma semana inteira para que as lições sejam feitas.

No entanto, vocês já sabem o final, não é mesmo? 

Alunos, aulas, e até mesmo, pagamentos atrasados.

No final, o aluno não aprende inglês e ainda sai acreditando que: Aprender idiomas não é pra ele. O professor é ruim. O método é ruim. As aulas são chatas. O professor enche o saco. Ou que aprender inglês sem sair do Brasil, não dá. 

Sendo que, tudo o que ele precisava era escutar o professor de inglês dele!

Tudo isso faz parte das formas de Como não aprender inglês

Infelizmente.

Conclusão

Aprender inglês é muito mais do que ter alguém que, magicamente irá fazer você falar inglês.

É muito mais do que focar apenas em uma fonte de conhecimento. 

É muito mais do que ser o aluno de “segunda e quarta”. 

É muito mais do que culpar alguém e não admitir que errou.

É muito mais do que aprender um novo vocabulário e não ter a oportunidade ou vontade de usá-lo. 

É muito mais do que traçar metas inalcançáveis.  

É muito mais do que traduzir e codificar cada linha e parágrafo que vem à sua frente. 

Ao aprender um novo idioma, você abre uma porta da vida que estava trancada.

Espero que tenham entendido Como não aprender inglês

Categorias: Autonomia

Thiago Oliveira

Professor de inglês há 7 anos, tradutor/intérprete, criador de conteúdo e apaixonado por aprender e ensinar idiomas.

10 comentários

Suzany Portal · 4 de novembro de 2019 às 5:13 pm

Olá, tenho acompanhado vc.algum tempo e gosto muito da forma como apresenta as dicas e explicações. Desde o ano passado quando resolvi estudar com mais afinco, percebi q precisava praticar todos os dias, por isso passei a estudar de segunda a sexta 1h30min e fazer algumas vezes reforço a noite, mesmo trabalhando. Realmente dá um salto grande e ver outras fo tes também ajuda muito!!! Obrigada por compartilhar seu conhecimento

    Thiago Oliveira · 7 de novembro de 2019 às 12:33 pm

    Oi, Suzany! Tudo bem? Fico muito feliz em saber disso. Aliás, como você disse, todo esse empenho vem valendo a pena. O mais legal ainda é conciliar os estudos com o que você gosta: Filmes, séries, músicas, livros, podcasts etc. Com isso, o horário de estudo deixa de ser apenas “estudo”. Entende? Ah! Eu que agradeço pelo seu comentário e por ter me acompanhado todo esse tempo. Abraços.

Mayara Alves · 16 de outubro de 2019 às 10:39 am

Cara, que sensacional !
Foi um tapinha de leve pra gente acordar e ler tudo aquilo que fazemos kkkkk.

    Thiago Oliveira · 16 de outubro de 2019 às 12:38 pm

    Oi, Mayara! Fico muito feliz que tenha gostado. Muito obrigado! Realmente, são coisas que fazem a total diferença na hora de aprender. Acredito que muita gente precisa saber disso. Aliás, eu já fui assim também. Normal. Abraços!

Joseph · 15 de outubro de 2019 às 6:42 pm

Cara suas matérias são demais! Um dos sites mais esclarecedores que já vi, obrigado por compartilhar sua experiência!

    Thiago Oliveira · 16 de outubro de 2019 às 8:36 am

    Hey, Joseph! Tudo bem? Nem sei o que escrever com esse seu comentário. Só posso agradecer e ficar feliz que tenha gostado. Espero que continue acompanhando o blog. Muito obrigado!

Geraldo Guilherme R. de Carvalho · 8 de setembro de 2019 às 3:05 pm

Excelente metodologia. Tenho apena um problema: Ficar traduzindo palavras.

    Thiago Oliveira · 8 de setembro de 2019 às 5:58 pm

    Muito obrigado pelo comentário, Geraldo! O bom é que você já sabe que é algo que precisa ser trabalhado. Aliás, traduzir não é errado, e sim, fazer isso de forma exagerada. Abraços!

Ylka Souza · 29 de agosto de 2019 às 10:13 am

Amei está matéria….Tá muito certo…tem que querer mesmo aprender Inglês e ter responsabilidade com este projeto😍

    Thiago Oliveira · 29 de agosto de 2019 às 12:00 pm

    Hey, Ylka! Tudo Bem? Fico mais do que feliz que tenha gostado! Realmente, essas são muitas das coisas que vejo acontecendo por aí! Espero que algumas pessoas possam entender e ficarem atentas à esses detalhes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *